domingo, 18 de fevereiro de 2018

De onde vem o dinheiro que banca os doutores de Lula?

Cristiano Zanin Martins, advogado de defesa de Lula
(Vivian Carrer Elias/VEJA.com) 
A tropa de advogados a serviço do chefão é composta por especialistas em absolvição de culpados.

Por Augusto Nunes

A multidão de advogados a serviço de Lula é composta por especialistas em absolvição de culpados. Esse tipo de bacharel cobra honorários em dólares por hora. Pelo atrevimento exibido nas audiências presididas por Sérgio Moro, pela insolência que esbanjam no esforço para irritar o juiz da Lava Jato, pela insistência em transformar um caso de polícia numa causa política, as boladas que os bacharéis vão receber são de muito bom tamanho.

A pergunta é: se a saúde financeira do Instituto Lula foi devastada pela retração dos fregueses da Lava Jato, se o Bill Clinton de galinheiro não recebe convites para palestras desde junho de 2015, se as mediações bilionárias do camelô de empreiteiras foram prudentemente suspensas, de onde virá o dinheiro para bancar a gastança com rabulices? A resposta só pode ser dada pela Polícia Federal. Aí tem.

sábado, 17 de fevereiro de 2018

Ana Amélia acaba com os sonhos de Lindbergh e Gleisi



Verdade Política Publicado em 7 de fev de 2018 

  A senadora Ana Amélia criticou os discursos dos senadores Lindbergh Farias e Gleisi Hoffmann que usaram a tribuna para defender o ex-presidente Lula.

https://www.youtube.com/watch?v=BRg8PMj83bQ

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

LULA FEZ O POBRE COMPRAR E REALIZAR SONHOS! ENTENDA A FARSA!



https://www.youtube.com/watch?v=LWHbT6HDvPk

Campanha da Fraternidade: Ao lançar Campanha da Fraternidade 2018, CNBB diz que corrupção é violência


Pedro Peduzzi - Repórter da Agência Brasil Brasília 

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) lançou, nesta quarta-feira (14), a Campanha da Fraternidade 2018, com o tema Fraternidade e Superação da Violência. O documento aponta formas e tipos de violência no Brasil, dando destaque às praticadas contra os negros, os jovens e as mulheres. “Os grupos sociais vulneráveis são as maiores vítimas da violência”, disse o presidente da entidade, cardeal Sérgio da Rocha.

“A Igreja sempre tem alertado sobre a perda de direitos sociais. Não podemos admitir que os mais pobres arquem com sacrifícios maiores. Precisamos de políticas públicas para nos ajudar a superar e a assegurar os direitos fundamentais que as pessoas têm”, defendeu o cardeal.

Durante o lançamento da campanha, o presidente da CNBB listou também como prática violenta, a corrupção. “A corrupção é uma forma de violência, e ela mata”, disse o cardeal. Segundo ele, “ao desviar recursos que deveriam ser usados em favor da população, os políticos acabam promovendo uma outra forma de violência contra o ser humano, a miséria”.

“Queremos superar também formas de violência como as representadas pela miséria e pela falta de vida digna”, argumentou o religioso, que criticou também os políticos que vêm adotando em seu discurso o uso da violência como forma de combate à violência. Segundo o cardeal, a Igreja Católica vem atuando no sentido de esclarecer seus seguidores sobre o risco desse tipo de política. “É um equívoco achar que superaremos a violência, recorrendo a mais violência. [Nesse sentido,] a igreja está orientando os eleitores, ajudando-os a formar sua consciência e a identificar quais candidatos estão comprometidos com a paz”, disse.

Ainda pontuando as formas de violência, ele citou o uso das redes sociais, onde, segundo ele, identifica-se “um triste crescimento da agressividade”. O cardeal disse, ainda, que os meios de comunicação “são vitais para a superação da violência”. Ele, no entanto, criticou as programações violentas em busca de audiência. “Quanto mais filmes violentos assistirmos, mas violentos nós seremos”.

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, em declaração durante o lançamento da campanha, disse que a iniciativa dá a “tônica à imperativa mudança que se impõe, de que o irmão é um aliado”.

“Precisamos caminhar de mãos dadas, e não de punhos cerrados. Essa é a melhor forma de lidarmos com essa campanha. Minha mãe dizia, quando eu era criança, que se tivesse algum problema era para eu procurar um adulto por perto. Hoje vejo mães e professores desconfiarem e temerem adultos que chegam próximo às escolas. Quem se aproxima pode ser inimigo. Estamos fazendo do outro não um irmão, mas um inimigo a se combater”, argumentou a magistrada.

O coordenador da Frente Parlamentar pela Prevenção à Violência e Redução dos Homicídios, deputado Alexandre Molón (Rede-RJ), disse que a campanha da CNBB aborda uma das grandes preocupações do país, em função do enorme número de homicídios aqui praticados. “Foram mais de 60 mil homicídios em 2017, e foram 61 mil em 2016. Se considerarmos que a bomba de Nagasaki [explodida no Japão pelos norte-americanos ao fim da 2ª Guerra Mundial] matou instantaneamente 80 mil [pessoas], podemos dizer que a cada ano morre, no Brasil, o equivalente a uma bomba de Nagasaki”, disse o deputado.

segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018

O GOLPE COMUNISTA EM ANDAMENTO FOI ABORTADO PELOS MILITARES!


HISTÓRIA

Relatório do Arquivo Público do Estado do Rio mostra que esquerdistas buscaram ajuda militar na ilha antes no golpe de 64.

Cuba apoiou guerrilha já no governo Jânio

MÁRIO MAGALHÃES DA SUCURSAL DO RIO

No dia 19 de agosto de 1961, o então presidente da República, Jânio Quadros, condecorou com a Ordem Nacional do Cruzeiro do Sul o ministro da Economia de Cuba, Ernesto Guevara, o Che.

Provavelmente sem saber, Jânio, que renunciaria seis dias depois, homenageou um dos três principais dirigentes (os outros eram os irmãos Fidel e Raúl Castro) do regime comunista que, meses antes, já incentivava e apoiava a preparação da luta armada contra o próprio governo Jânio Quadros.

O "abraço de tamanduá" de Guevara (1928-67) em Jânio (1917-92) pode ser presumido pela leitura de um relatório descoberto pela Folha no acervo de memória da política do Arquivo Público do Estado do Rio.

Até agora, os historiadores acreditaram que o suporte do regime nascido com a Revolução Cubana de 1959 a esquerdistas brasileiros começou durante o governo João Goulart (61-64), intensificando-se após o movimento militar de 64. Na verdade, o apoio veio de antes.

Em maio de 1961, o dirigente do PCB (Partido Comunista Brasileiro) Jover Telles escreveu quatro páginas intituladas ""Relatório à Comissão Executiva sobre minhas atividades em Cuba".

No documento, endereçado ao núcleo supremo do CC (Comitê Central) do partido, ele detalhou o dia-a-dia da sua missão. Telles chegou a Havana em 30 de abril de 1961. Deixou a cidade em 23 de maio. No item 12 do relatório, Telles escreveu: "Curso político-militar: levantei a questão. Estão dispostos a fazer. Mandar nomes, biografia e aguardar a ordem de embarque".

Pedido de armas

Na mesma época, o líder das Ligas Camponesas, Francisco Julião (1915-99), estava em Havana tratando do apoio cubano à luta armada. No item 13, Telles contou que "Julião começou a falar em pedido de armas etc. (...) Dei opinião contrária, por dois motivos: a) poderia ser o pretexto para uma grande provocação e para o rompimento de Jânio com Cuba; b) o assunto não estava em boas mãos. Que discutissem o assunto com Prestes (Luís Carlos Prestes, secretário-geral do PCB), quando lá fosse".

Em maio de 1961, também estava em Cuba, conforme o relato de Jover Telles, um dos precursores da guerrilha socialista no Brasil, Clodomir dos Santos Morais, advogado que comandava um grupo de líderes das Ligas Camponesas e pregava -sem sucesso- a adesão do PCB à luta armada. Acabou expulso do partido.

O fundamental da narrativa de Jover Telles é a concordância dos cubanos em promover cursos militares. Embora inédita, essa não é uma informação de todo surpreendente.

"Desde o início (1959) os cubanos estavam convictos de que a luta armada era o caminho da revolução", diz o historiador Jacob Gorender, 78, que em 1961 era membro do CC do PCB. "Para mim, porém, o relatório é novidade. Deve ter circulado por poucas pessoas."

Adesão

É estranho que a indagação sobre treinamento militar tenha se originado de um dirigente do PCB, agremiação que em 60 realizara o seu Quinto Congresso e rejeitara qualquer tese pró-guerrilha. Nos anos seguintes, mantendo a posição, perderia dirigentes como Carlos Mariguella, Mário Alves, Joaquim Câmara Ferreira, Apolônio de Carvalho e os próprios Jover Telles e Jacob Gorender. Em grupos diferentes, todos eles aderiram - alguns morreram- à luta armada contra o regime militar (1964-85). Na política de "exportação da revolução" implementada por Cuba, o Brasil, maior país latino-americano, tinha um lugar importante. Jover Telles foi recebido por Fidel Castro (até o hoje o dirigente máximo cubano), Che Guevara e outros quadros. O brasileiro teve um encontro reservado com o embaixador da atualmente extinta União Soviética, potência comunista que se opunha à política guerrilheira.

Enquanto conspirava com militantes brasileiros oferecendo cursos militares -e talvez já fornecendo o apoio material que, com certeza, chegaria ao país a partir de 1962 -, Cuba tinha em Jânio Quadros um aliado contra a campanha dos EUA para derrubar o governo de Fidel Castro.

Ao receber a condecoração de Jânio, Guevara discursou, no Palácio do Planalto: "Como revolucionário, estou profundamente honrado com esta distinção do governo e do povo brasileiros". Disse haver ""todo o desejo de estreitar relações".

Gesto

O gesto de Jânio irritou setores das Forças Armadas e serviu de motivo para o recrudescimento da oposição ao seu governo. Em 25 de agosto, sete meses após assumir, o presidente renunciou. O autor do relatório sobre a missão comunista a Cuba, Jover Telles, não foi encontrado pela Folha. Em 1976, já como integrante da direção do PC do B, ele foi apontado como o delator que levou o Exército a reprimir uma reunião do partido e a matar três militantes.

No começo dos anos 90, Telles estava morando no Rio Grande do Sul. Usava identidade falsa, com medo de que os ex-correligionários o assassinassem. Se estiver vivo, já passou dos 70 anos. A cópia do seu relatório consta de microfilme com cadernetas de Luís Carlos Prestes (1898-1990) apreendidas pela polícia em 1964. É possível que o relatório estivesse em poder do chefe do PCB.

Sob o comando de Prestes, o PCB permaneceu distante da opção guerrilheira. Até o início dos anos 70, Cuba treinou pelo menos 202 militantes brasileiros em guerrilhas urbana e rural. O regime militar venceu a guerra contra a luta armada.


domingo, 11 de fevereiro de 2018

POR QUE PRENDER LULA? HÉLIO BICUDO RESPONDE


Fundador do PT e hoje desafeto de Luiz Inácio Lula da Silva, o jurista Hélio Bicudo, um dos patrocinadores do pedido de impeachment que tirou Dilma Rousseff da presidência da República, teria feito circular nas redes sociais um texto supostamente da sua autoria, em que pergunta, com ironia, que motivos a Justiça teria para mandar Lula para a prisão.

Em tom jocoso, Bicudo diz que “não há motivos para prender Lula”. Depois, ele enumera uma série de itens, a começar pelo fato de o ex-presidente ter ocultado propriedades (supostamente o tríplex do Guarujá e o sítio de Atibaia), por ter ficado rico com a corrupção, por ter jogado dinheiro do BNDES no lixo, por ter saqueado os cofres públicos…


Leia a seguir os 37 motivos elencados pelo jurista. Hélio Bicudo conclui, mais uma vez irônico.
“Ora. Não é justo (prender Lula):

“1 Prender Lula só porque lavou dinheiro ocultando duas propriedades?

2 Só porque ganhou imóveis e reformas de empreiteiras às quais tinha favorecido?

3 Só porque recebeu propina fingindo que fez palestras que nunca deu?

4 Só porque fez o BNDES emprestar 8 bilhões para Odebrecht fazer obras sem concorrência em países bolivarianos?

5 Só porque comandou uma organização criminosa que quebrou a Petrobrás?

6 Só porque contratou sondas superfaturadas da Schahim para receber comissões e dinheiro sujo para a campanha?

7 Só porque mandou acobertar o assassinato do prefeito Celso Daniel pagando com dinheiro da comissão das sondas?

8 Só porque fez a Petrobras fornecer nafta à Braskem abaixo do valor de mercado por vários anos, causando prejuízo superior a 5 bilhões segundo o TCU?

9 Só porque saqueou os palácios ao ir embora, levando não só presentes de Estado como até a prataria da casa?

10 Só porque escolheu e elegeu uma presidente incompetente, despreparada, desequilibrada e burra, propositadamente, esperando com isso sucedê-la 4 anos depois?

11 Só porque a elegeu tapeando o povo numa campanha criminosamente mentirosa, irrigada com dinheiro roubado da Petrobras?

12 Só porque permitiu que sua quadrilha saqueasse os fundos de pensão de quase todas as Estatais, prejudicando as aposentadorias de centenas de milhares de petroleiros, carteiros, bancários?

13 Só porque permitiu que a Bancoop lesasse milhares de bancários para favorecer a OAS e ganhar um triplex no Guarujá?

14 Só porque deu aval político e dinheiro para que organizações criminosas como o MST invadissem e depredassem impunemente fazendas, centros de pesquisa e prédios públicos?

15 Só porque sistematicamente comprou apoio político através do Mensalão e Petrolão? Só porque colocou um cupincha no Sesi Nacional, que transformou a instituição num cabide de empregos para os companheiros e parentes vagabundos?

16 Só porque ajudou o enriquecimento ilícito de seus filhos em troca do favorecimento de empresas de telefonia e outras?

17 Só porque vendeu medidas provisórias isentando montadoras de impostos em troca de comissões?

18 Só porque inchou o governo e as estatais com centenas de milhares de funcionários supérfluos, quebrando o Estado e provocando déficit público Record?

19 Só porque loteou mais de 30 mil cargos de confiança com seus apaniguados, dando o comando das estatais e autarquias para petistas incompetentes que mal sabem administrar suas vidas?

20 Só porque elegeu outro poste como prefeito da maior cidade do país, também com dinheiro roubado das estatais?

21 Só porque comprou milhões de votos com programas de esmola como o Bolsa Família? Só porque criou o Bolsa Pescador, e deixou 3 milhões de falsos pescadores se inscreverem para receber a sua esmola compradora de votos?

22 Só porque criou o MONOPÓLIO DAS INDÚSTRIAS PETROQUÍMICAS no país? Só porque aumentou nossa carga tributária de 33 para 40% do PIB?

23 Só porque aumentou nossa dívida pública para quase três trilhões de reais, tornando-a impagável?

24 Só porque favoreceu o sistema financeiro com taxas exorbitantes de juros, transferindo renda dos pobres para os ricos?

25 Só porque conseguiu fazer o Brasil torrar toda a bonança da maior onda de alta das comodities na década passada? Só porque loteou todas as agências reguladoras fazendo-as inúteis na proteção dos cidadãos?

26 Só porque tentou aparelhar até o STF nomeando ministros comprometidos com a proteção à sua ORCRIM?

27 Só porque deixou a Bolívia expropriar a refinaria da Petrobras sem fazer nada?

28 Só porque humilhou nossas Forças Armadas nomeando ministros da Defesa comunistas e incompetentes?

29 Só porque favoreceu comercialmente ditaduras como as de Angola, Venezuela e outras?

30 Só porque esfriou relações e esnobou as maiores economias do mundo, direcionando nossas relações exteriores para países inexpressivos comercialmente, apenas no afã de ganhar prestígio e votos na ONU?

31 Só porque humilhou o Itamaraty orientando a política externa através de consiglieri mafiosos como Marco Aurélio Garcia?

32 Só porque nos envergonhou deixando nossas embaixadas e consulados sem dinheiro para pagar aluguéis?

33 Só porque comprou um aerolula da Airbus pelo triplo do que poderia ter comprado um Embraer e promovido nossa indústria aeronáutica?

34 Só porque descuidou dos programas de saúde pública através de ministros incompetentes e desvio de verbas, permitindo a volta de doenças como a dengue e o zika?

35 Só porque aparelhou todas as universidades federais com reitores de esquerda, obtusos e incompetentes?

36 Só porque fez o Brasil ser motivo de chacota no mundo inteiro?

37 Só porque nos tirou o orgulho de sermos brasileiros?

Só por estes motivos? Ora. Não é justo”

LULA CHEGOU AO PODER EXPLORANDO A ESPERANÇA E BOA FÉ DOS MAIS POBRES E HUMILDES, MENTIU, ROUBOU E FICOU MILIONÁRIO


11/02/2018

Partido traça estratégia para que os militantes e filiados não se desanimem se o ex-presidente começar a cumprir a pena de prisão. TEMOR É DE QUE ISSO AFETE O DESEMPENHO DA SIGLA NAS ELEIÇÕES e a atuação dos parlamentares petistas no Congresso ….

A cada vez mais real possibilidade de prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva já não é mais assunto proibido dentro do Partido dos Trabalhadores (PT). Os PETISTAS e ALIADOS de SEMPRE, como MOVIMENTOS SOCIAIS e POPULARES, já discutem estratégias para o pós-prisão do principal líder da esquerda do país. Dentre elas, estão a divulgação maciça nas redes sociais de vídeos de apoio a Lula gravados por celebridades e um acampamento na frente do presídio para o qual ele for levado.

Na reunião da bancada de deputados federais do partido realizada na semana que passou, o assunto foi tratado pelos parlamentares. Mas se evitou a entrada de assessores e os microfones do plenário da reunião foram desligados. O líder da legenda na Câmara, Paulo Pimenta (RS), comandou o encontro no qual os deputados discutiram abertamente o que fazer com eventual prisão de Lula nas próximas semanas.

MOBILIZAÇÃO SERÁ MANTIDA, MAS ORIENTAÇÃO é PARA DIMINUIR o TOM AGRESSIVO CONTRA a JUSTIÇA .. A ordem e orientação é manter mesma mobilização dos dias que antecederam o julgamento do Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4), que condenou Lula a 12 anos e 1 mês de cadeia. Está definido que será montado um acampamento na frente do apartamento de Lula em São Bernardo do Campo (SP).

O petista, até a decisão final do TRF-4 sobre os embargos de declaração (recurso da defesa), irá rodar o país e mobilizar militantes. Há uma recomendação para, se possível, diminuir o tom agressivo contra os tribunais.

Outra linha de atuação é envolver o maior número de celebridades na “causa”. Estimular produção de vídeos com depoimentos de atores e atrizes, cantores, escritores e de outros apoiadores famosos de Lula e divulgá-los maciçamente nas redes sociais. No local onde Lula estiver detido, a ideia é montar um acampamento permanente com militantes se revezando 24 horas por dia.

PT teme ser CONTAMINADO por DESÂNIMO se LULA for PRESO Há muito receio entre os petistas sobre o impacto da prisão de Lula não só no resultado da eleição – a tendência é que ele não seja candidato. Mas também na atuação de parlamentares e no ânimo dos candidatos petistas a todos os cargos no país.

“Uma coisa é a gente imaginar o Lula preso, outra coisa é o Lula preso de fato. Como será o dia seguinte aqui no Congresso? Será que nós vamos absorver rápido assim e continuar no front com a mesma força? Ao menos nos primeiros dias, não. Nem nós e nenhum petista, ou simpatizante e eleitor de Lula, vai deixar de sentir o baque” , disse um deputado do PT que participou da reunião da bancada e pediu para não ser identificado.

Não há como medir qual será a influência real de Lula na sucessão presidencial se ele estiver preso. “Nós não sabemos como será isso? Todo mundo diz que Lula preso ou solto, candidato ou não candidato terá um peso significativo na campanha. E as alianças nos estados, em especial no Nordeste, são fechadas em função dele. E sem ele?”, afirmou esse mesmo petista.

Sem Lula, o partido teme perder o norte. Quem irá substituí-lo? Os dois nomes de seus supostos substitutos na corrida presidencial – o ex-ministro e ex-governador da Bahia Jacques Wagner e o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad – estão longe de ter a mesma estatura política de Lula dentro do PT e de sua representação popular.

“Nos resta uma decisão de tribunal superior suspendendo sua prisão. Há, dentro do partido, quem prefira Lula preso, mas candidato. E quem prefira Lula solto, mas inelegível, com capacidade de articular aliança, circular com seu candidato país afora, gravar vídeos para petistas e aliados. Preso, só poderá tomar banho de sol”, disse o parlamentar.