quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Site petista-dilmista propõe luta contra a Igreja Católica, como Chávez fez na Venezuela

Um site petista-dilmista chamado “PT 20 anos no poder” está propondo uma mobilização contra a Igreja Católica. E dá a receita:

“Precisamos salvar o Brasil do atraso, e fazer a defesa enfática de um Estado laico, que só será possível com a eleição de Dilma Rousseff. A Igreja é que deve se submeter ao Estado, e não o contrário. Este caminho já foi traçado pelo companheiro Hugo Chávez na Venezuela: depois de sofrer uma campanha sórdida como a que estamos sofrendo agora, decretou a laicidade do Estado, e agora é o governo venezuelano que controla sua própria Igreja.”

O texto expõe a sua noção de liberdade religiosa:

“Nós acreditamos na liberdade religiosa, desde que a fé não seja usado como instrumento de dominação da vontade do povo por parte do Vaticano, como vemos acontecer desde as Cruzadas. Pesquisem o histórico dos chamados sacerdotes que se opõem ao PT e tentam manipular a opinião pública contra nós.”
Nem Dom Paulo Evaristo Arns escapa:

“Está claro que D. Paulo já não tem mais a capacidade de liderar sua Igreja, e uma intervenção se mostra cada vez mais necessária.”
Não adianta tirar a porcaria do ar. Já fiz um PDF.

Por Reinaldo Azevedo

PT faz homenagem a condenados no mensalão


Lançamento do Livro dos Lideres do Partido dos Trabalhadores.
Rui Falcão segura um exemplar - Ailton de Freitas / O Globo
Ex-funcionário da liderança do partido na Câmara lançou livro recheado de ataques à imprensa e ao STF 

POR FERNANDA KRAKOVICS
BRASÍLIA - O PT fez uma homenagem, no início da noite desta terça-feira, ao ex-deputado José Genoino (PT-SP), que no momento está em prisão domiciliar, e ao deputado João Paulo Cunha (PT-SP), ambos condenados no julgamento do mensalão. Eles são citados no livro “Lideranças do PT na Câmara, Trajetórias e Lutas, 1980 a 2013”, de Athos Pereira, ex-funcionário da liderança do partido na Câmara, lançado nesta terça-feira. A publicação é recheada de ataques à imprensa e ao Supremo Tribunal Federal (STF).

Presente na solenidade, realizada em um salão da Câmara, o presidente do PT, Rui Falcão, negou que o evento fosse um desagravo:

- Ninguém está agravado para ser desagravado - disse ele, ao chegar para o lançamento do livro.

Em seu discurso, no entanto, ele homenageou Genoino:

- Às vezes a História nos prega peças. Neste ano foram duas. A primeira foi nos ter privado para sempre da presença física do (Marcelo) Déda. A segunda é a que nos tirou do Parlamento um dos mais brilhantes parlamentares que esse país já teve e que agora está privado de sua liberdade - disse Falcão, em referência a Genoino.

Questionado sobre ataques ao Supremo presentes no livro, o presidente do PT respondeu:

- Deve ser por causa de algumas conclusões do Supremo, de dois pesos e duas medidas - disse ele, sem fazer especificações. Antes dos discursos foram exibidos dois vídeos em homenagem a Genoino e ao ex-governador de Sergipe, Marcelo Déda (PT), morto na semana passada vítima de um câncer.

Apesar de estar na Câmara, João Paulo não compareceu no evento, embora tenha sido anunciado pelo mestre de cerimônias.

Irmão de Genoino, o líder do PT, deputado José Guimarães (CE), tentou motivar a bancada:

- Não temos razão para ficarmos no canto da parede, entristecidos. Perguntaram: é um desagravo? Não, é um ato de uma bancada que faz História.

O livro questiona o julgamento do mensalão pelo STF e diz que Genoino foi preso “arbitrariamente por ordem de Joaquim Barbosa, presidente do STF”; o classifica como preso político, discurso que vem sendo adotado tanto por Genoino, quanto pelo ex-ministro José Dirceu e pelo ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares, também presos.

“Este gesto espetaculoso e ilegal confirma mais uma vez a natureza política da condenação de Genoino e diz muito sobre a utilização eleitoreira do STF para servir a interesses subalternos. O STF tripudiou sobre um homem íntegro, mas a história o absolverá”, diz trecho do livro.

A publicação faz ainda ataques à imprensa ao relatar a renúncia de Genoino à presidência do PT em meio ao escândalo do mensalão. “Desde então ele vem sendo achincalhado, humilhado e ofendido pela imprensa golpista”, diz trecho do livro.

Ao discursar no lançamento, o autor foi na mesma linha e atacou a imprensa mais uma vez:

- A imprensa que maltrata diariamente o PT é a mesma que conspirou e contribuiu para o suicídio de ( Getúlio) Vargas e para o golpe de 1964 - disse Pereira.

O presidente da Câmara, deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), apareceu quando o evento estava em curso e fez um discurso saudando a trajetória do PT. A relação entre Henrique Alves e os petistas ficou estremecida desde que ele se recusou a barrar a abertura de processo de cassação contra Genoino até que fosse concedida aposentadoria por invalidez ao então deputado. Com isso, Genoino acabou renunciando ao mandato.

R$ 12 milhões, esse foi o valor pago pelo governo Dilma ao IBOPE e outros institutos de pesquisa

Enquanto Lula, em seus dois mandatos gastou cerca de R$ 2,8 milhões com institutos de pesquisas, Dilma, em seu primeiro mandato já gastou mais de R$ 12 milhões com IBOPE, Datafolha e outros institutos.

Dos três institutos, o que mais fatura no governo do PT é o Ibope: R$ 11,5 milhões com Dilma e R$ 2,3 milhões no governo Lula. Nos serviços contratados pelo governo, há pesquisas de opinião e até levantamentos sobre efeito estufa.

Entre os órgãos governo que contrataram pesquisas a Presidência da República, o Ministério do Desenvolvimento Social e a estatal EBC. As informações são do colunista do Diário do Poder, Claudio Humberto.

Leia também:

Polícia Federal entra em greve nesta quarta-feira (22) em todo o Brasil

Foto: Divulgação

Paralisação de 72 horas será seguida de atos públicos de protesto em frente às unidades da PF.
Da Redação (redacao@correio24horas.com.br)                 
Os agentes da Polícia Federal (PF) de todo o país entrarão em greve de 72 horas a partir desta quarta-feira (22). A paralisação das atividades será seguida de atos públicos de protesto em frente às unidades da PF. Na Bahia, a mobilização acontece a partir das 16h30 de quarta, em frente à Superintendência Regional da Polícia Federal localizada na Avenida Oscar Pontes, no bairro de Água de Meninos.

Os agentes protestam contra a alteração na lei 9.266, assinada pela presidente Dilma Rousseff no último dia 13, que inclui a definição de que a Polícia Federal é parte da "estrutura básica" do Ministério da Justiça.

A greve é realizada, ainda, por conta do não cumprimento do acordo assinado com o governo federal, no final da greve de 2012, onde havia sido prometida a modernização da carreira na PF e o reconhecimento das atividades realizadas por todos servidores, ainda regidos por leis da época da ditadura militar.

“A Polícia Federal está sendo destruída, enquanto a população brasileira precisa do combate ao crime organizado e corrupção. Estamos sendo engolidos pela burocracia. O servidor deve ser reconhecido pelo que faz, e não pelo que está no papel. Queremos critérios de eficiência para as chefias, independente do cargo, e o fim da politicagem dentro da PF”, explica Jones Borges Leal, presidente da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef).

Jones Borges, disse à Coluna Esplanada que a recente Medida Provisória (MP) 657 seria um afago estranho aos delegados em meio à eleição e às investigações de corrupção no governo, sendo uma ação decisiva para a realização da greve.

A MP beneficiou apenas o cargo de delegado, criando uma espécie de concurso para chefe no serviço público federal.

Confira na íntegra a nota:

A MP foi editada na calada da noite e em período eleitoral, contrariando o artigo 73, inc. V da LEI 9.504/97, e através dela, Dilma tenta enquadrar os Agentes da Polícia Federal e sua insistência em investigar casos de corrupção.

Para os Agentes Federais a edição da MP 657 centraliza a direção e o poder de todas as atividades da Polícia Federal em um só cargo, dentro de uma carreira única constitucional composta por cinco cargos policiais federais, o que une 90% dos servidores do DPF contra esse grave atentado à democracia que retira a autonomia de investigação dos Agentes Federais e dos Peritos Criminais que são responsáveis pela produção de provas técnico-cientificas.

Essa MP foi editada às vésperas das eleições presidenciais, coincidentemente quando veio à tona várias investigações onde membros do mais alto escalão do governo federal aparecem como, supostamente, envolvidos em escândalos de corrupção, o que certamente pode influenciar no pleito eleitoral.

A estratégia de concentrar todo o poder do órgão em um só cargo e assim controlar todas as investigações é semelhante a um golpe de Estado que atinge a sociedade sorrateiramente bem como foi a PEC 37 (PEC DA IMPUNIDADE) que era defendida pelos delegados de polícia como instrumento de "autonomia e poder", mas que colocava a sociedade e o Ministério Público como vítimas de um golpe antidemocrático que foi combatido pelos Agentes Federais desde o nascedouro, e que a sociedade acordou a tempo de ir às ruas em junho de 2013 para impedir tamanho retrocesso defendido com "unhas e dentes" por delegados de polícia contra a sociedade, e que hoje têm a MP 657 (MP DA IMPUNIDADE) como espelho da PEC 37, em âmbito interno às investigações da Polícia Federal, mas que atinge a sociedade tal qual a PEC 37.

Se a PEC 37 colocava como algozes da sociedade os delegados de polícia na ânsia por poder, a MP 657 (MP DA IMPUNIDADE) retoma mais um capitulo dessa história onde de um lado estão a sociedade e todas as instituições democráticas, e de outro estão delegados de policia defendendo prerrogativas, e concentração de poder, em detrimento da autonomia de investigação de todos os outros cargos da PF, o que retrocede a instituição atualmente mais bem avaliada pela sociedade aos tempos de controle político de todas as atividades do órgão.

E para tentar demover o governo Dilma de tamanho retrocesso, os AGENTES FEDERAIS da Bahia informam a população de que a partir da meia noite do dia 22/10/2014 estarão entrando em greve geral como forma de protesto, acreditando que a luta por uma Policia cidadã, moderna, e eficiente que entregue uma prestação de segurança publica da forma como a população almeja e merece, de forma rápida e consistente.

Essa é uma luta de toda a sociedade.

Lula chama Aécio de “filhinho de papai”, mas ainda não falou sobre Rose Noronha, a amante corrupta

Dois pesos – Desqualificado como ser humano e ainda pior como político, Luiz Inácio da Silva, o apedeuta-lobista Lula, não mede suas palavras para alcançar seus objetivos. E nesse receituário da malandragem vale inclusive enganar a população, como vem ocorrendo nos últimos 142 meses, período em que a mitomania serviu de escudo para dezenas de escândalos de corrupção.

Participando da campanha de Dilma Rousseff apenas para evitar que uma derrota da sucessora se transforme na chave do ossário da vigarice petista, Lula tem abusado da verborragia insana e mentirosa. No programa eleitoral da presidente-candidata que foi ao ar na noite de segunda-feira (20), Lula não economizou sandices para atacar o tucano Aécio Neves. Disse o ex-metalúrgico que o presidenciável do PSDB é “filhinho de papai”. “Essa moça aqui [Dilma] foi presa aos 20 anos porque queria democracia desse país. Onde estava o Aécio? [...] O comportamento dele não é o comportamento de um candidato, é o comportamento de um filhinho de papai”, declarou Lula.

É bom esclarecer que Dilma foi presa não porque lutava pela democracia, como afirma Lula, mas porque integrava um grupo de comunistas marginais que roubavam, matavam e sequestravam. Por isso a presidente-candidata foi presa e deixou a cidade de Belo Horizonte para cuidar da vida, como afirmou em recente debate eleitoral. O que Dilma e seus parceiros de banditismo político buscavam, à época, era instalar no País uma ditadura comunista, a exemplo do que o PT e a esquerda verde-loura tentam desde 1º de janeiro de 2003.

Por sua já mencionada desqualificação como ser humano e político, Lula não tem sequer um grama de moral para falar sobre a postura alheia. Mitômano compulsivo e acostumado a fazer o papel de Ali Babá dos muitos ladrões que acobertou durante seus dois governos, Lula deveria se contentar com a própria insignificância, pois é inaceitável que seu palavrório desconexo e bandoleiro se perpetue como verdade, em um país em que boa parte da população se sujeita a integrar um obediente curral eleitoral em troca de esmolas oficiais.

Enquanto dispara críticas imundas e rasteiras na direção de Aécio Neves, o ex-presidente deveria se preocupar em dar explicações sobre alguns escândalos que receberam a estelar chancela petista, começando sobre a atuação de sua amante,Rosemary Noronha. Flagrada pela Polícia Federal na esteira da Operação Porto Seguro, Rose, a Marquesa de Garanhuns, era um dos pivôs do esquema de venda de sentenças de órgãos federais que funcionava a partir do escritório paulistano da Presidência da República.

Sempre se apresentando aos corruptores como a namorada de Lula, o que fazia sem qualquer cerimônia, Rose Noronha vez graves ameaças nos bastidores petistas, depois da deflagração da operação da PF. Exigiu a outrora primeira-dama genérica ou substituta tratamento idêntico ao dispensados aos mensaleiros, alguns dos quais convidados a passar uma temporada no Complexo penitenciário da Papuda, no Distrito Federal. Rose não apenas foi blindada pela tropa de choque petralha, tendo à disposição o mesmo capanga (Fernandão) que acompanhou Erenice Guerra, mas foi visivelmente poupada nas investigações policiais e contou com uma banca de criminalistas de fazer inveja aos mais ricos e ousados barões do tráfico de drogas. Essa nababesca defesa, integrada pelos principais escritórios de advocacia da cidade de São Paulo, foi custeada com parte do dinheiro desviado da Petrobras.

O PT e a cúpula do partido há de negar a informação do ucho.info, mas é melhor que aceitem o que ora afirmamos, antes que outros detalhes da bandalheira oficial venham à tona. Aproveitando o ensejo, não custaria nada ao PT revelar aos brasileiros de onde saiu o dinheiro para custear a defesa de Erenice Guerra, o eterno braço direito de Dilma e que continua mandando e desmandando nos bastidores do poder.

Fonte: http://ucho.info

terça-feira, 21 de outubro de 2014

Irmã de Aécio se emociona ao falar de ataques do PT

A irmã do candidato à Presidência Aécio Neves (PSDB), Andrea Neves
A irmã do candidato à Presidência Aécio Neves (PSDB), Andrea Neves (Divulgação)


Andréa Neves, irmã e principal conselheira do presidenciável tucano Aécio Neves, se emocionou neste domingo ao falar da baixaria promovida pelo PT contra o tucano. “O que impressiona a cada um de nós é o absoluto descompromisso com a verdade e como dados são falseados. Cabe a cada um de nós manter o coração mais firme. E confiar no bom senso das pessoas. Essa campanha com tanta mentira, tanta calúnia, tanta infâmia que está sendo patrocinada pelo PT vai servir para alertar a população brasileira do que está por trás de tudo isso”, afirmou Andrea, que interrompeu a fala e ficou com os olhos marejados enquanto conversava com jornalistas antes de carreata de Aécio pela Praia de Copacabana, Zona Sul do Rio de Janeiro.

Como voluntária, Andréa foi presidente do Serviço Voluntário de Assistência Social (Servas), uma associação privada sem fins lucrativos ligada ao Governo de Minas Gerais, e isso motivou uma falsa acusação de “nepotismo” pela presidente-candidata Dilma Rousseff (PT). No debate do SBT, Aécio revidou e acusou o irmão de Dilma, Igor Rousseff, de ter sido funcionário fantasma na Prefeitura de Belo Horizonte durante a gestão de Fernando Pimentel (PT). “O que Aécio fez ali foi reagir ao tipo de calúnia, de massacre, de falar da nossa família com dados incorretos. Se fosse verdade, era outra questão que se colocava. Nossa família foi trazida para o debate político com base em mentiras. Não há nenhum caso de nepotismo em Minas Gerais. Isso quem diz é o Ministério Público. É fato”, afirmou Andréa, explicando que a campanha de Aécio não deve ficar mais ofensiva. (Daniel Haidar, do Rio de Janeiro)


Leia também:

Lula e Dilma pressionam a Rede Globo às vésperas do debate decisivo.

Todos sabem que a eleição pode ser decidida no debate da próxima sexta-feira, na Rede Globo. A audiência será recorde e o mau desempenho de um dos candidatos poderá fazer com que ele perca dois a três por cento dos votos, o que será fatal nesta eleição tão disputada. 

Por isso, depois de ofender a mãe de Aécio dizendo que ela não deu uma "educação de berço" para o filho, depois de chamar Aécio de "bêbado", "drogado", "playboyzinho" e "filhinho de papai", depois de mentir de forma insana sobre a família e o caráter de um político cujo único crime é querer ser Presidente da República, ontem Lula atacou diretamente a imprensa. Abaixo, um trecho do artigo escrito hoje em seu blog pelo jornalista Ricardo Noblat:

Lula foi além, ontem à noite, do limite da irresponsabilidade.

Em comício ao lado de Dilma em Itaquera, distrito da Zona Leste da capital paulista, ele falou mal da imprensa – até aí nada demais. É direito dele. E nada tem de original.

Mas a certa altura do seu discurso, ele citou os nomes dos jornalistas Miriam Leitão, do jornal O Globo, e de William Bonner, apresentador do Jornal Nacional da Rede Globo de Televisão.

- Daqui para frente é a Miriam Leitão falando mal da Dilma na televisão, e a gente falando bem dela (Dilma) na periferia. É o (William) Bonner falando mal dela no “Jornal Nacional”, e a gente falando bem dela em casa. Agora somos nós contra eles - ameaçou Lula.

As cerca de cinco mil pessoas reunidas para escutá-lo foram ao delírio. Mais tarde, no teatro da Universidade Pontifícia de São Paulo, no bairro de Perdizes, Lula voltou a criticar a imprensa. E a citar Míriam Leitão e a Rede Globo.

Não dá para afirmar que ele tenha bebido antes de discursar. Aparentava estar sóbrio. Dilma e líderes do PT que testemunharam os discursos de Lula sorriram com o que ele disse. Certamente não pensaram numa coisa – e se pensaram não deram importância.

A saber: Lula expôs dois jornalistas à ira dos seus seguidores fanáticos.

Com Lula, nada é por acaso. O objetivo é um só: constranger o mediador do debate, colocando o eleitorado do PT contra ele. Se Dilma for interrompida porque estourou o tempo, a culpa será de Willian Bonner. Se Dilma tiver um desempenho pífio, as suas deficiências serão creditadas a um golpe da Globo e do apresentador, que a deixaram nervosa e pressionada. A partir de ontem, Bonner está desafiado a provar, sendo mais duro com Aécio, que não está contra Dilma. Pelo menos este é o objetivo de Lula, com o seu ataque ao jornalista.

Por trás disso tudo, que não é um episódio, é uma campanha, está a meta de Lula de implantar o controle social da mídia, a exemplo dos países que fazem parte do Foro de São Paulo. Destruída a oposição, por uma máquina de assassinar reputações, o último passo será calar a Imprensa. Ontem Lula deu nome aos bois. Em várias oportunidades, nos últimos meses, ao conceder longas entrevistas aos blogs patrocinados pelo governo, de onde são propagadas as piores calúnias contra Aécio Neves, já havia feito referências semelhantes.

Lula deixa muito claro onde quer chegar.  Infelizmente, se Dilma vencer estas eleições, alcançará seu intento. As redações são majoritariamente bolivarianas e apoiarão. Os colunistas que ainda opinam contra o governo, estes serão dizimados. As empresas de comunicação serão perseguidas e varridas do mapa. A Venezuela e a Argentina moram ao lado. Só não enxerga quem não quer.

O EDITOR

Fonte: http://coturnonoturno.blogspot.com.br