sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Papa recebe Aliança Evangélica e elogia esforços ecumênicos

Na manhã de quinta-feira, 06/11, o Papa recebeu um grupo de membros da Aliança Evangélica Mundial. Fundada em 1951 por cristãos de 21 países, a AEM é uma estrutura global que reúne 160 milhões de cristãos evangélicos em 111 países.

«A vós, graça e paz da parte de Deus, nosso Pai, e da parte do Senhor Jesus Cristo, que se entregou por nossos pecados, para nos libertar da perversidade do mundo presente, segundo a vontade de Deus, nosso Pai» (Gal 1,3-4).

Com esta citação do Apóstolo Paulo, o Papa iniciou seu breve discurso aos membros da Aliança, na Biblioteca do Vaticano. Depois de reiterar que a realidade da unidade da fé tem seu fundamento no Batismo – dom divino que temos em comum – Francisco recordou ainda uma verdade fundamental e consoladora:

“O Senhor sempre nos precede com o seu amor e sua graça. Precede as nossas comunidades; antecipa e prepara os corações daqueles que anunciam o Evangelho e daqueles que o acolhem”.

Desde o início, sempre houve divisões entre os cristãos, e ainda hoje, infelizmente, persistem rivalidades e conflitos; uma situação que, segundo o Papa, enfraquece a nossa capacidade de cumprir o mandamento de pregar o Evangelho a todas as nações.

“A realidade de nossas divisões deturpa a beleza da túnica inconsútil de Cristo, mas não destrói completamente a profunda unidade gerada pela graça em todos os batizados”, disse Francisco, mencionando o decreto sobre o ecumenismo ‘Unitatis redintegratio’, do Concílio Vaticano II. “Certamente a eficácia do anúncio cristão seria maior se os cristãos superassem suas divisões, celebrassem os Sacramentos e testemunhassem a caridade juntos”.

O Papa se disse satisfeito pelos esforços conjuntos do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos e da Comissão Teológica da EAM, pois esclareceram os mal-entendidos e abriram caminhos para superar preconceitos.

Terminando, Francisco se disse confiante que o Espírito Santo inspire na Igreja a coragem para perseverar e tentar novos métodos de evangelização: “Que esta nova etapa no relacionamento entre católicos e evangélicos permita realizar plenamente a vontade do Senhor de levar o Evangelho até os extremos confins da terra”, concluiu, pedindo orações de todos para si e seu ministério.

O Brasil e a Aliança Evangélica Mundial

Os brasileiros, reverendo Bertil Ekstrom, diretor executivo da Comissão de Missão, e a diretora executiva da Comissão Teológica da Aliança, Rosalee Ewell, falaram sobre o encontro com o Papa à nossa colega Dulce Araújo.

Fonte: Rádio Vaticano

Local: Cidade do Vaticano

FHC: “Dilma se sente ilegítima, mesmo após reeleita”

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) afirmou, no último sábado (15), que a presidente Dilma Rousseff se sente “ilegítima”, mesmo após a reeleição. Segundo ele, os motivos seriam as várias crises simultâneas enfrentadas pelo Brasil sob sua gestão.

Segundo reportagem da Folha de S. Paulo desse domingo (17), durante participação no Festival Piauí de Jornalismo, FHC lamentou o quadro político brasileiro. “A crise é grande. Não é uma crise, são várias crises ao mesmo tempo. Você tem a sensação de uma presidente que ganha a eleição, mas se sente ilegítima. Não é sua culpa, mas se sente”.

Para o tucano, o “jogo político” petista é “mal organizado”. “Nunca vi um presidente demitir o ministro da Fazenda no ar. O ministro continua, não tem outro, gera incerteza”, criticou. Barganha

Fernando Henrique afirmou também que as crises são reflexo da falta de alternativa ao “sistema de barganha” entre o governo e os 22 partidos do Congresso, – serão 28 a partir de janeiro – a área energética e até o fortalecimento da direita.

“Há um processo de criação de núcleos de direita que não tem a ver com o PSDB, com o Aécio. Houve a instigação nesse sentido pela obsessão do PT em dividir: nós e eles, nós e eles'”, disse.

Para o tucano, “não está claro o futuro em matéria institucional e, em consequência, a capacidade de conduzir o país no mundo, que está mudando tão rapidamente”, concluiu.

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

A ajuda dos americanos pode garantir o final exemplarmente feliz de um filme sobre o Petrolão: nenhum bandido escapa da cadeia

Imagem: Google

“A Petrobras é como a Seleção, um símbolo do Brasil em qualquer lugar do mundo”, disse Lula em 2007. ”Com o pré-sal, a Petrobras vai ser uma das empresas mais fortes do mundo”, avisou em 2008. “Eles querem privatizar a Petrobras porque nunca antes neste país o Brasil teve uma potência conhecida no resto do mundo”, festejou em 2009. “Eles não se conformam com o governo de um nordestino que fez a Petrobras ser respeitada no mundo inteiro”, cumprimentou-se em 2010, pouco antes de entregar a Dilma Rousseff uma estatal infestada de incompetentes, gatunos e vigaristas.

A presença da palavra mundo em todas as frases acima reproduzidas informa que o ex-presidente é um megalomaníaco sem cura. As quatro falácias entre aspas identificam um governante sem compromisso com a verdade. A soma das duas disfunções confirma aos berros que um farsante patológico foi presidente da República durante oito anos e continua exercendo os poderes de único deus da seita que se apossou do governo. O Brasil Maravilha registrado em cartório só existe na cabeça baldia do chefe supremo e nos cérebros semidesertos de sacerdotes e devotos.

Até o começo do século, a Petrobras foi marcada pela solidez financeira e pela eficiência administrativa. Em 12 anos, o governo lulopetista reduziu a empresa a um viveiro de corruptos. O colosso inventado pelo palanque ambulante só figurou entre os campeões dos petrodólares na imaginação dos nacionalistas de galinheiro. A empresa admirada no mundo inteiro nunca produziu barris suficientes para assombrar o mundo. Mas conseguiu produzir um caso de polícia que vai, agora sim, torná-la mundialmente conhecida.

O que já se sabe do Petrolão comprova que em nenhuma empresa do ramo um bando de delinquentes roubou tanto, por um período de tempo tão longo e com tamanha desfaçatez. Com a entrada em cena do Departamento de Justiça dos Estados Unidos, a história tem tudo para virar roteiro de um filme. Semanas a fio, multidões de brasileiros lotarão as salas de cinema do país inteiro. Ninguém vai perder a chance de ovacionar o final exemplarmente feliz: graças à ajuda dos investigadores americanos, nenhum bandido ─ nenhum ─ escapa da cadeia.

Dom Itamar Vian recebe representante do Papa em comemoração aos seus 30 anos de episcopado

Dom Itamar Viana. (Foto: Arquidiocese Feira de Santana)

A Arquidiocese de Feira de Santana, na Bahia, rende graças a Deus pelos 30 anos de Episcopado do Arcebispo Dom Itamar Vian, que serão completados no dia 22 de novembro. A ocasião será marcada por uma Missa, presidida pelo Núncio Apostólico no Brasil, Dom Giovanni D’Aniello, na Igreja de Santo Antônio – Capuchinhos (avenida Presidente Dultra – Feira de Santana), às 16h.

A Missa também celebra os dez anos de instalação da Faculdade Católica de Feira de Santana e os dez anos do Seminário Maior Sant’Anna Mestra. Os paroquianos da cidade conhecida como “Princesa do Sertão” também estarão em festa com a visita do Núncio Apostólico, entre os dias 21 e 23 deste mês. Confira a programação completa da visita!

Dia 21 de novembro
17h30 – Recepção no Seminário Sant’Ana Mestra – diretores e seminaristas dos seminários da Província Eclesiástica;
19h30 – Missa na Igreja Cristo Redentor – Jomafa.
Dia 22 de novembro
8h – Coletiva com a imprensa – Sala de Comunicação – Centro Paroquial Santana;
9h – Visita à Faculdade Católica e aos seminários das Dioceses: Feira de Santana, Barra, Irecê, Serrinha, Paulo Afonso, Juazeiro e Rui Barbosa. Visita às Irmãs Clarissas e ao mosteiro, em construção, o primeiro no Estado da Bahia;
10h30 – Encontro com bispos, padres, diáconos e seminaristas;
11h45 – Reunião com os bispos da Província Eclesiástica;
12h30 – Seminário Sant’Ana Mestra com bispos, padres, diáconos e seminaristas;
16h – Missa e, ação de graças pelos trinta anos de Episcopado de Dom Itamar Vian e pelos dez anos da Faculdade Católica e Seminário Maior Santana Mestra, na igreja Santo Antônio – Capuchinhos;
19h- Colégio Padre Ovídio. 
Dia 23 de novembro
7h – Missa na Catedral Metropolitana Senhora Sant’Ana – Abertura do Ano dedicado à Vida Consagrada; 8h30 – Residência do Arcebispo Dom Itamar Vian;
9h30 – Palestra para casais e jovens no auditório do Colégio Padre Ovídio;
11h30 – Seminário SantAna Mestra – Despedida.

O impeachment da Presidente parece ser questão de tempo

Por Bernardo Santoro, publicado no Instituto Liberal
A Operação Lava-Jato, feita pela Polícia Federal, cada vez mais se parece com a Operação Mãos Limpas, feita na Itália na década de 90 contra a máfia lá instalada, que resultou em uma profunda reforma política e a extinção de vários grandes partidos italianos.

Vários pequenos operadores da Petrobras já chegaram a acordos de delação premiada que resultarão na devolução de quase meio bilhão de reais aos cofres públicos. Além deles, outros dois ex-funcionários já fizeram acordos parecidos. Paulo Roberto Costa devolverá 70 milhões de reais e Pedro Barusco inacreditáveis 250 milhões de reais. Já está provada a implicação de mais de 100 políticos no esquema, dentre três partidos da base governista: PT, PP e PMDB. A maior parte desses negócios foi feita sob a tutela da Presidente Dilma Rousseff, seja no próprio cargo executivo máximo da república, seja como Presidente do Conselho de Administração da Petrobras.

Com o fim das investigações e sua publicização, restará evidente que o impeachment da Presidente Dilma não será uma questão de “se”, mas de “quando”. E o “quando”, adianto, não será agora. O colunista do Globo, Merval Pereira, escreveu no Globo que tem essa mesma sensação, e que as manifestações pelo impeachment não são um golpismo, e sim apenas um movimento deslocado no tempo. Daqui a três ou seis meses essas passeatas realmente terão significado, especialmente quando soubermos a extensão da implicação do Palácio do Planalto nas operações.

Com a Presidente afastada e o Vice-Presidente Michel Temer assumindo, fica a seguinte pergunta: e daí, o que muda de fato?

Essa é uma pergunta pertinente, pois ainda não sabemos que tipo de força política vai emergir dessa ruptura política. Na Itália, ascendeu ao poder um representante pervertido e estatista do empresariado, Silvio Berlusconi. Quem vai assumir a dianteira do processo político?

Se liberais e conservadores tomarem posse dessa liderança e estabelecerem a agenda política brasileira com redução do aparelho estatal, desburocratização, responsabilidade fiscal e redução da carga tributária, haverá uma real mudança. Mas tanto o movimento liberal quanto o conservador são bastante restritos no campo político ainda, embora estejam crescendo com vigor. O movimento psolista também cresce a olhos vistos, mas não tem presença política nacional relevante.

Por isso, a ordem natural do processo político será a substituição de um grupo político autoritário e patrimonialista por outro com mesma identidade ideológica e sem compromisso com reais mudanças institucionais no país. É bem possível que, neste momento, a direita que está indo às ruas para ser humilhada por jornalistas venais esteja, na verdade, fazendo o jogo de pessoas sem compromisso com um Brasil sustentável e livre. Mas isso não pode nos impedir de continuar a lutar pelo que é certo. O impeachment será muito bom quando for atingido, mas a verdadeira revolução está no dia-a-dia dos movimentos pela liberdade, seja no próprio campo político, como no acadêmico e no econômico.

E 2018 já é logo ali.

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Santuários eleitorais do Bolsa Família.

BELA VISTA DO PIAUI (PI) – Na pequena Bela Vista do Piauí, povoada por apenas 3.778 moradores, dos quais mais da metade – exatamente 2.535 almas vivas – resiste bravamente na zona rural, o Bolsa Família não é apenas um poder paralelo. É uma “mãezona”. Sustenta mais de um terço da população e o cartão magnético usado para sacar o benefício na Caixa serve para irrigar contas até de conselheiros tutelares e presidentes de partidos.

Conselheira tutelar Josiene Marques tem salário acima de R$ 800, um Honda Civic e uma moto na garagem e recebe Bolsa Família.
Josiene Marques, 41 anos, faz parte do time do Conselho Tutelar, órgão mantido pela Prefeitura Municipal, que exemplifica uma grave distorção no programa de transferência de renda criado para pobres, mas desviado para quem dele não deveria fazer uso: embolsa R$ 850,00 de salário como conselheira e R$ 147,00 pela Bolsa.
Foi localizada pela reportagem em sua casa, a 200 metros da sede do Conselho, com um carro na garagem, um Honda Civic e uma moto. Alegou que os meios de transporte foram adquiridos pelo marido e que é beneficiária do Bolsa Família praticamente desde que o programa existe. Embora tenha conquistado o emprego de conselheira tutelar através de concurso, Josiene continua recebendo a bolsa há quase dois anos.
“Já fui notificada para dar baixa e estou fazendo isso”, afirmou. Como conselheira tutelar, seu caso não é único no município. 
José Erivan, Josimar Tolentino e Marcelo Tolentino são conselheiros tutelares e beneficiários do Bolsa Família.
José Erivan, Josivan Tolentino e Marcelo Tolentino se enquadram na mesma situação, ou seja, ganham também R$ 850,00 como conselheiros e mais uma renda adicional da Bolsa Família. Erivan tem um cartão que lhe dá o direito de sacar R$ 112,00.
“Eu sei que já não posso mais ser bolsista”, diz Erivan, que não pode ser enquadrado na linha extrema de pobreza porque, além do salário de conselheiro, tem 13 cabeças de gado e 28 ovelhas no sítio Tapera, a 8 km do centro da cidade, onde mora com a esposa, um filho menor e seus pais.
Erivan foi localizado na sede do Conselho Tutelar na sexta-feira passada, dando expediente com os demais conselheiros Josivan e Marcelo Tolentino, que são parentes de primeiro grau, também beneficiários do programa social. Como Erivan, Josivan e Marcelo criam gado e ovelha na comunidade do Sítio.
Marcelo tem um valor acima de Erivan e Josivan: R$ 146,00 e há um ano e oito meses recebe R$ 850,00 como conselheiro. “Já pedi também para me cortarem do programa”, garante. Residente na comunidade do Barreiro, onde não chegou sequer ainda energia elétrica, Marcelo se insere no perfil de um pequeno criador.
Bartolomeu Rodrigues, presidente do PT, criador de gado e contemplado pela Bolsa.
Apesar da seca prolongada matar o gado ainda consegue meios para manter duas vacas e seis ovelhas. “Os animais são da família”, alega. Em Bela Vista do Piauí, a Bolsa Família contempla 693 famílias, entre as quais a de Bartolomeu Rodrigues de Souza, 45 anos, presidente municipal do PT, o Partido dos Trabalhadores.
Agricultor, Souza perdeu tudo o que plantou de milho e feijão por causa da seca, mas também não está na extrema pobreza, porque cria gado e ovelhas. Do Bolsa Família, recebe R$ 214,00 por mês.
“Eu não tenho emprego de carteira assinada, estou, portanto, dentro do que determina a lei”, alega. Secretária de Ação Social do município, Maria Helena Marques, esposa do prefeito, não esconde que há graves distorções na execução do Bolsa Família, mas ressalta que estão sendo corrigidas mediante o recadastramento dos beneficiários.
“A falha não é só nossa, mas do Ministério do Desenvolvimento Social também, que muitas vezes também faz cortes injustos, não sabendo separar entre o pai pobre que recebe pelo filho que está na escola e aquela família que tem direito por se encaixar no critério de extrema pobreza”, alega. Com exceção dos conselheiros tutelares, a secretária garante que não existem, entretanto, mais servidores beneficiados pelo programa.

Postado por 

Repercussão internacional do Petrolão arrasa com imagem de Dilma e vai travar investimentos no Brasil

Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net 
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

A base governista, prestes a ruir e trair, está alarmada e quase desarmada. A tensão pode fazer mal à saúde dos poderosos: Lula da Silva e Dilma Rousseff. O cagaço nervoso tem fundamento. Se o Ministério Público Federal, com a colaboração da Receita e da Polícia Federal, sob ordens de membros da recém criada "Associação de Juízes Anticorrupção", mergulhar fundo na área de Saneamento, Desenvolvimento Urbano e FAS da CAIXA, o rombo da Petrobras irá parecer folguedo de criança.

Se houver uma devassa em contratos da Eletrobras e outras empresas estatais de economia mista, o mesmo modelo de negociatas do Petrolão, com propinas a partir de contratos superfaturados, pode se repetir. O agravante é que as empreiteiras seriam as mesmas enroladas na Operação Lava Jato. Os corruptos envolvidos estão no poder, a maioria com direito a foro privilegiado para julgamento pelo Supremo Tribunal Federal. Oficiosamente, se fala em 32 parlamentares indiciáveis pela deduragem de Paulo Roberto Costa e Alberto Youssef. Mas o número pode passar de 70...

Ontem, o desgoverno Dilma Rousseff foi alvo, mais uma vez, de um vexame midiático internacional. Deu no New York Times: "Estrela do Brasil, Petrobras está de mãos atadas por escândalo e estagnação". O jornal norte-americano ressaltou que o Petrolão seria o maior caso de corrupção em um país democrático na história do mundo moderno. Eis uma barbaridade para o esquema PT-PMDB comemorar com orgulho, pelo desfeito inigualável... O escândalo paralisa o Brasil. Investidores fogem daqui como o Diabo da cruz. A situação de Dilma é insustentável. Não tem moral para continuar governando. Que dirá tomar posse em janeiro para o segundo mandato. No entanto, no País da impunidade, isto deve acontecer, para vergonha mundial...

Os números da vergonha são ainda imprecisos. O presidente do Tribunal de Contas da União (TCU), ministro Augusto Nardes, que considera o Petrolão "o maior escândalo da história do TCU, estima que os desvios podem chegar a R$ 3 bilhões. O valor só se refere aos contratos das obras das refinarias Abreu e Lima, Presidente Getúlio Vargas e Duque de Caxias (RJ), do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), e ainda a compra da unidade de Pasadena no Texas (EUA).

Oficialmente, os orgãos de investigação da Lava Jato não têm estimativa clara do total de valores desviados no sobrepreço em vários contratos firmados com a Petrobras. O valor final cobrado a mais e distribuído como propina ficará a cargo de um contabilista da 13a Vara Federal de Curitiba, onde tramitam até agora 12 ações penais decorrentes da Lava-Jato. Quando isso ocorrer, apenas a parcela apurada como fraudes em licitações públicas terá chance de voltar aos cofres da Petrobras. Já o dinheiro recuperado proveniente de corrupção deverá ser encaminhado ao Fundo Penitenciário da União.

Quando isto ocorrer - se realmente acontecer -, daqui a no mínimo uns 10 anos, que Brasil restará para os brasileiros honestos?